Postado em: 01/08/2017 08:23:07

Post by: Jeferson Luiz

Cúpula nacional do PMDB declara guerra a Requião

As declarações foram uma reação a um vídeo postado nas redes sociais e na página oficial do PMDB paranaense.

O líder do governo Temer no Senado e presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá (RR), afirmou “não ter medo de briga” depois que o senador Roberto Requião (PMDB) ameaçou “soltar os cachorros” se ele insistisse em tentar expulsá-lo do partido. As declarações foram uma reação a um vídeo postado nas redes sociais e na página oficial do PMDB paranaense, na qual Requião rebatia nota da revista Veja segundo a qual Jucá estaria procurando um “laranja” para entrar com um processo para expulsá-lo da legenda por fazer oposição ao governo Temer. 

Em outro vídeo, postado na noite de domingo, Jucá devolveu a ironia afirmando ter visto o vídeo de Requião e dizendo que a "cachorrada" do paranaense havia se manifestado. "Pelo visto o senador Requião deve estar andando com muitos vira-latas e deve ser igual a eles. Não tenho medo de cara feia, nem de bravata", respondeu o presidente do PMDB. "O senhor disse que pode soltar seus cachorros em cima de mim, solte, não tenho medo. Não devo nada nem a Policia Federal, nem a lava jato. E não sou réu em nenhuma ação, diferente do senhor que é réu em muitas aç ões ai no Paraná”, rebateu o líder governista, que é alvo de oito inquéritos no Supremo Tribunal Federal, com base em investigações da PF nas operações Lava Jato e Zelotes.
Jucá afirmou ainda no vídeo que vai levar a questão à Executiva Nacional do PMDB. Segundo ele, as posições de Requião são "lamentáveis e atrasadas" e fazem parte de uma política "antiga, petista, bolivariana, uma política que não condiz com a realidade que o Brasil precisa viver". "Não estava procurando ninguém para entrar com ação no PMDB. Mas agora eu, presidente do PMDB, levarei essa história, essa situação do Paraná, para a reunião da executiva", disse.
“Vexame” - O líder de Temer criticou também a proximidade de Requião com a senadora e presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann. "Nós vamos ter sim clareza no PMDB porque nós não estaremos no PMDB compactuando com propostas da Venezuela, da Bolívia, ou PMDB do Paraná", alegou.
Jucá negou qualquer irregularidade nas contas do PMDB, e acusou Requião de usar o dinheiro do fundo partidário do Diretório Regional do PMDB do Paraná para bancar a campanha do filho, o deputado Requião Filho (PMDB) à prefeitura de Curitiba nas eleições de 2016. "Estamos investigando que o fundo partidário no Paraná, nas ultimas eleições municipais, gastou 95% na campanha do seu filho. E teve um resultado ridículo, expôs o partido a um vexame", apontou.
Para Jucá, o senador paranaense fica "atacando o partido e tentando atrapalhar o que queremos fazer para melhorar o Brasil" "Sua posição não combina com o novo PMDB", disse o dirigente. "Não tenho medo de brigas, não tenho medo de guerra e partido estará firme defendendo a nossa postura. Espero que o senhor reflita as bobagens que disse. O PMDB não tem medo de enfrentamento e não tem medo de cara feia", afirmou ele.
Requião diz não temer que a Executiva tome alguma medida interna contra ele. Ontem, pelo twitter, o senador voltou a ironizar a reação de Jucá. “Jucá indignado desafia Darc para um duelo: 'não tenho medo de cara feia', diz ele. Meu maremano branco não quiz responder!”, brincou ele, postando a foto de um de seus cães.

Fonte: Bem Paraná

TÓPICOS: Requião